Book Cover: Amsterdão : do mercado à sociedade europeia?
Parte di 1998 series:
  • Amsterdão : do mercado à sociedade europeia?

Às portas do novo milénio apresentam-se vários desafios de grande envergadura, nomeadamente: o alargamento aos países do leste da Europa, a moeda única, a globalização, a política social, o asilo e a imigração.

Apesar de apresentar várias lacunas, pode-se afirmar que o texto do Tratado de Amesterdão é um progresso em relação ao de Maastricht. Isto, porque permite um novo alargamento, reforça o estatuto da sociedade civil europeia e os direitos dos cidadãos, pugna pela diminuição do défice democrático e a aumentar a legitimidade das instituições.

Que Europa queremos? De tipo intergovernamental (confederal), federalista ou a combinação de ambos?

O novo tratado também prevê um aumento considerável de competências legislativas a favor do Parlamento Europeu. Outro aspeto importante: o de estabelecer, ou não, um 'modelo social europeu' que permita à Europa entrar na economia mundial da globalização. Porém, para que o mercado único seja viável, é indispensável que haja um mínimo de regulação social.

Por um lado a União apresenta um mercado forte e instituições fracas e, por outro, temos os Estados com instituições sólidas e um mercado frágil. Daí a necessidade de solucionar este problema.

Queremos apenas uma política de mercado ou mais que isso? É necessário, portanto, que os mercados se subordinem às sociedades e não o contrário.

Di admin

Lascia un commento

Il tuo indirizzo email non sarà pubblicato. I campi obbligatori sono contrassegnati *